Um ou dois beijinhos? O retrato de um flagelo social

Não vamos fingir que isto é uma questão obsoleta na nossa sociedade. Eu que assevere a sua frescura, que acabei de ficar com a face esquerda especada no vazio, à espera da bochecha alheia para o segundo encosto, e ela nunca, nunca chegou.

Lamentavelmente, tive de continuar o movimento e fingir que queria pentear a franja. E claro que está sempre alguém a ver, que depois goza.

Já todos passámos por isso: aquela reação macacóide ao beijo no ar, o que fazer meu Deus? Assumo, rio-me, assobio para o lado? Agarro-o pelos colarinhos e obrigo-o?

Beijinho

Ora, não me cabe julgar se é certo dar um ou dois. Apenas acho que já era tempo de nós, enquanto sociedade, chegarmos a uma espécie de consenso. Se houvesse um estudo, tenho a certeza de que confirmaria que o flagelo do penduranço vitimiza 1 em cada 10 saudações beijadas. E note-se: isto só acontece em Portugal

Neste país, o acto de beijar exige uma avaliação-relâmpago para se perceber se a pessoa dá um ou dois. Uma espécie de ritual de reconhecimento da espécie, ao estilo National Geographic. E é legítimo: em vez de cheirarmos os rabos, como os cães, roçamos a bochecha um X número de vezes (e para alguns isso é suficiente para saberem se querem copular ou não).

Há vários problemas nesta dubiedade. O primeiro problema é a nossa probabilidade de acertar ser 50/50. Ou seja, é pior do que a roleta (e chamam-lhe “jogo de azar” e não de “sorte” por alguma razão)

O segundo problema é acharmos que há pessoas que são mono ou duo-beijoqueiras por defeito. Quando na realidade elas não são de categoria nenhuma, simplesmente dependem do outro. Estão naquele limbo meio cortês meio cobardolas. “Eu cá dou aquilo que me derem” dizem. E se ambas pensarem assim, é meio caminho andando para alguém ficar a pentear a franja.

O terceiro problema é ter de lidar com aquela estirpe que dá um à família da mãe, dois à família do pai, bacalhaus aos amigos e beijos com língua ao cão. Apresentar um namorado/a sem um briefing prévio  é levá-lo a um campo minado de penduradores em série.

beijinho2

Do lado de quem é pendurado há sempre aquele que vira a cara para o infinito e avista coisas ao longe. Outra abordagem é a de fingir que se vai ganhar balanço para levantar a poupa do cabelo. Eu prefiro aqueles que não se conformam, e puxam o pendurador para si, firmemente mas não sem gentileza, impondo o segundo encosto sem ai nem ui.

Do lado dos que penduram há os que marimbam na cena por um lado, e os que pedem desculpa por outro. Às vezes estes últimos tentam retomar, mas entretanto o outro já retirou, ups, desculpe, e de repente são eles a deixar a bochecha suspensa no nada. Karma’s a bitch.

Para todos os efeitos, a linguagem corporal de um fail é simplesmente hilariante. Imbecil na importância que se lhe dá e socialmente mortal na forma como nos faz sentir, como se não fôssemos “competentes” no pelouro da etiqueta.

O mesmo acontece em contexto de trabalho, quando não sabemos se devemos beijar ou ficar pelo passou-bem. Eu invisto quase sempre nas duas beijocas, mas às vezes apercebo-me de que levei com um uppercut no estômago – o passou-bem falhado – e já é tarde demais para afastar a bochecha. É dramático.

Estive a pensar a sério em como evitar embaraços e queria partilhar os conselhos do consultório sentimental Dra. Bumba:

1. Levar um batedor. Alguém conhecido que conheça os hábitos labiais das pessoas do meio. Nós, atrás, limitamo-nos a imitar

2. Adoptar a táctica do vai-não-vai a seguir a dizer olá: simular em câmara lenta uma intenção – não se sabe qual – mas empatar o suficiente para ser o outro a aproximar-se, e assim passar para ele a batata-quente do número de beijos

3. Aguardar pela presa. Dá-se o primeiro beijo, após o qual se pára o pescoço num ângulo imparcialmente vertical, durante os milisegundos-chave em que a outra pessoa investe ou não para o segundo encosto, revelando-se mono ou duo – NAILED’IT!

4. Perguntar pelo canto da boca, tipo máfia italiana: um ou dois? É preferível a vergonha de perguntar que a de pendurar.

Espero que ajude.

X número de beijos,

Dra. Bumba

Anúncios

13 Comments Add yours

    1. Mafalda diz:

      Lembro-me de ter que explicar isto (se é que há explicação que se dê), aos turistas que eu conduzia há 20 anos atrás. Imaginam o que é explicar isto a alemães de 70 anos???????

      A conclusão era sempre a mesma, por meio de risotas nervosas do meu lado: “2 ist immer besser als 1”

  1. Cécile B diz:

    E em Paris que sao 4 beijinhos… quando chegei a Portugal fiquei muitas vezes pendurada >_< !!

    1. Filipe R diz:

      Já foram 4 beijinhos, nos tempos do outro senhor. Hoje, são mais dois e isso, com sorte, pois até o beijo em si está a desaparecer. Um “bacalhau” e já vais com sorte! 😉

  2. guidixaff diz:

    Se tiver um ar de tia, de menina bem ou à “antiga portuguesa” sempre só um. A todos os outros pode dar dois. E mais não digo, mas quando chego a uma sala e oiço “pshiu, pshiu” e as cabeça a girarem como as dos espectadores num jogo de ténis, fico doente

  3. sara seruya diz:

    Do melhor…!!! Reconheço que este angustiante tema provém da minha geração e, quer se queira quer não, de um certo “enquadramento sócio-cultural”… Mas a coisa está-se a compor, a resvalar calmamente para os 2 xôxos” como standard, é surpreendente o doloroso caminho de compromisso/cedência já percorrido por muito bom uni-beijoqueiro nesta matéria… E nem sequer se pode falar de nivelar por baixo, é simplesmente… chutar para o lado!

  4. Josélito diz:

    Nesta matéria, o genial escultor Rodin mandou o tema beijoqueiro às urtigas e fez uma proposta definitiva com o seu magistral “Le baiser” [googlem, se quiserem, no inglês The Kiss, vão lá parar à mesma; e deliciem-se com a maravilha daquela escultura de finais do séc.XIX].
    Entretanto, tomem lá bué de beijos para todos! À Rodin, +elo meu lado, só mesmo com a minha cara-metade…

  5. joao diz:

    so uma coisa a roleta nao e 50/50! o zero faz com qe deixe de ser 50/50 e ai que o casino tem a probabilidade do seu lado! por isso se chama um jogo de fortuna ou azar!

  6. Ricky diz:

    …Mas alguém dá 2 beijos!?

  7. RaceJay diz:

    Qual beijo qual quê! Não queriam igualdade?? Aperto de mão e mai nada!!!

  8. Nicodemos diz:

    Aqui na América do Sul só pode dar 2 beijos, se der o terceiro beijo, dizem “é para casar”.

    1. Marcelo diz:

      É verdade – isso é um problema sério que é ignorado pela sociedade 🙂

      No Brasil, dependendo da região, pode ser 1, 2 ou até 3 beijinhos!

      No Nordeste, geralmente são 2. Em São Paulo, e acredito que no Rio também, 1. No Sul, 3!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s