Sobre o tempo das vacas gordas

Incrível como no trabalho, em conversa com as gerações e em diversas ocasiões me falam nostalgicamente do “tempo das vacas gordas”.

Aquele período abstracto na História de Portugal em que alegadamente o dinheiro abundava e as famílias eram prósperas.

Falam das vacas gordas com a nostalgia de um passado recente, a dar a irritante ideia de que foi por um suissinho cronológico que não as apanhei.

Pior: fico com a sensação de que é precisamente quando chego aos sítios que as vacas deixam de ser gordas.

Naqueles tempos é que era a loucura, dizem eles, dinheiro a jorrar dos poros, salários pornográficos e negócios a brotar como cogumelos. Mas “isso era no tempo das vacas gordas”.

É triste chegar no fim da festa. É triste ser a geração em constante perseguição de um rasto de estrume e à chegada só apanhar as ossadas escanzeladas de vacas bulímicas e amestradas. É triste fecharem-nos o guichet na cara depois de 5 anos na fila. É triste chegar aos momentos excitantes da vida em modo “apertar o cinto”, vitalício até algo em contrário. É triste ser a geração do mau timing.

Mas pronto, assim como assim o tempo vai passando, as testemunhas oculares vão falecendo e isto das vacas gordas há-de virar mito urbano.

Mas até lá, era fixe avistar uma vaca gorda, um dia.
Só para pedir um autógrafo.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s