A Etiqueta Social do Peido – Parte I

c31a6dd40c0ffc3d1f30496013a9128d

Respiro, logo flatulo. Porque o ar tem de circular, nada mais. Em mim, na senhora do lado, no acólito da paróquia e no presidente Obama. Todos flatulamos – em público ou em privado – e é algo que nos une de forma orgânica.

Não seria esplêndido viver numa sociedade em que a relação com o peido fosse fácil e comunicante? Digo peido por via de tornar bem claro o tema de que aqui se fala, não vá o leitor ler uma onomatopeia onde ela não existe – não é o “pum” que faz a pistola, nem o “pum” que faz o trambolhão, é inequivocamente o pum que faz o pandeiro – em momentos de descontração máxima, nem sempre anunciados, e raras vezes passíveis de se disfarçar à posteriori.

Teorizar sobre as convenções à volta do, digamos, peido, é fazer História. Porque não há regras. A começar pela polémica em torno da própria nomenclatura: será correcto chamar pum (ou o diminutivo punzinho) sem desvirtuar a sua natureza grandiosa? E quando a situação não parece carecer de eufemismos, será de mau tom optar pela via directa do peido e do traque? Ou será melhor ainda omitir o sujeito, por via de melhor se propagar na forma de predicado: alguém se largou, alguém se peidou? É complicado.

A única etiqueta social que existe a este respeito é, de resto, extremamente proibitiva – basicamente não temos ordem de soltura, perante nada nem ninguém (a não ser que não tenhamos nada a perder).

É tempo de dizer basta. Não há ser humano no mundo que fabrique os seus gases nem necessidade de os expelir. É algo útil e biologicamente necessário, ao contrário do apêndice e do dente do siso. E todos sabemos que não há dignidade em viver num corpo condenado a contrair as nalgas ao mínimo sinal gasoso, adiando infinitamente o seu momento de libertação e empurrando-o de volta para o intestino e quiçá outros paradeiros até ao final da sua existência.

É que chegando ao cérebro é daí que vêm as ideias de merda, já dizia o outro. E para isso já nos chega a crise, os impostos, e os programas da tarde.

tarsier_nocturnal_animals

Queremos flatular livremente. A chave disto é o quando, o onde e o como. E deixar tudo por escrito, para a Humanidade prosperar.

Falemos primeiro do que já aprendemos sobre o assunto enquanto sociedade:

1. O peido do próprio não fede ao próprio, apenas aos outros.

2. O peido é uma experiência 360º, profundamente imersiva em todos os 5 sentidos do corpo humano. Na audição manifesta-se das mais variadas formas: esgueira-se inteiro, como um torpedo, ou aos trechos, como um helicóptero, ou agudo, como um balão em sofrimento. O som precede o cheiro, e provoca um arregaçar de sobrancelhas quase imediato, tanto na vítima como no culpado. De tão nauseabundo pode dar a ilusão de ser visível a olho nu, mas não. Depois afecta paulatinamente o olfacto, com risco de tonturas e desmaio para ambos, até dispersar com uma boa rabanada de vento, para alívio notório de todos. Se o espaço é fechado, veja-se um elevador, não é surpreendente que alguém refluxe o almoço de volta ao paladar. Frequentemente descrito como dar a mão à peidatória, o tacto intervém em situações-limite, quando o acontecimento vem com presente (um capítulo que, de resto, escolho não explorar).

3. O peido não é apanágio do sexo masculino. As raparigas também flatulam. Com a mesma intensidade dos homens ou pior, já que comem aquelas mariquices de fibra. Ao contrário de alguns mitos urbanos, não saem arco-íris nem confettis. A sociedade não está, no entanto, preparada para que elas se assumam. E por via desta discriminação, reprimem e sofrem mais de gases.

4. O peido tem uma natureza imprevisível e traiçoeira. Às vezes parece que vai sair em mute, mas em contacto com o exterior ribomba como um trovão, e a freguesia toda fica a saber. Outras vezes parece que não é nada de mais, e sai um silencioso de pantufas, daqueles quentes e mortíferos, que obriga a quarentena. Às vezes parece que vem avulso, finito em si próprio, mas é um mensageiro de algo maior. Nunca é de fiar.

Na próxima semana vou publicar a parte 2 deste artigo científico sobre peidologia, com o manual de etiqueta em exclusivo para os leitores do Bumba. Se tudo correr bem, foi a última vez nas suas vidas em que um traque foi motivo de embaraço.

De nada.

 

 

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s