O Macgyver nunca teve de comprar pensos higiénicos

Periodo

Os homens reagem de uma forma bastante símia à terminologia da menstruação.  E por isso mesmo, não há nada mais hilariante do que pedir a um homem para comprar pensos higiénicos, tampões ou toalhetes íntimos. É deixar o pedido no ar e esperar pela reacção: o medo, o embaraço, o asco, o sentido de dever a cumprir, como se de uma missão SWAT se tratasse.

Pôr um homem a olhar para a prateleira de higiene feminina no supermercado é como pedir a uma mulher para levantar o capô do carro e fazer uma análise crítica do seu conteúdo. Aceitar comprar tampões significa, por si só, incorrer num atentado à masculinidade e à ordem natural das coisas.

E depois, para quem está habituado a que a escolha mais difícil da vida seja Sagres ou Superbock, vêem-se de caras com a variadíssima oferta de cores, texturas, preços e feitios, e surgem as dúvidas existenciais, em silêncio, nos seus pequenos cérebros :

– Qual escolher? “Ausonia Sensitive ou Evax Fina e Segura? Se comprar sensitive, ela vai achar que eu não a acho suficientemente fina e segura e vice-versa, de uma forma ou de outra já me lixei. E não sei qual será mais ultra/super/hiper absorvente, todos parecem querer absorver o ser humano inteiro para dentro do algodão. E depois transformam o fluxo em pérolas de gel. Que feitiçaria é esta?” Começam os calafrios.

– Tipo de fluxo? – Aquela escala de gotinhas na embalagem, a categorizar o fluxo de normal até muito abundante, é suficiente para semear o terror. Na cabeça do homem conclui-se que existe uma pequena torneira no útero da mulher, com maior ou menor pressão. Uma luzinha acende: “a mulher anda sensível nestes dias e agora percebo porquê: um passo em falso e temos uma inundação.” E com isto começa a suar das patilhas.

Tampão com aplicador ou sem aplicador? – Várias dúvidas assolam ao mesmo tempo: ” mas isto entra por onde? E entrando, fica? Ou passeia-se pela corrente sanguínea, como um bon vivant? E, aqui entre nós, toda a gente sabe que as coisas que possuem aplicador fazem sofrer, se não fizessem aplicavam-se por si, como a espuma da barba ou um Guronsan.” Curto-circuito cerebral.

– Com abas ou sem abas? Ao olhar para o bonequinho da embalagem, há sempre algo na intimidade do cérebro masculino que acredita piamente que o penso higiénico levanta vôo com aquelas duas badanas de algodão. “A única diferença será então que alguns pensos são terrestres e os outros são alados, porque parecem francamente iguais no resto.” E pronto, taquicardia.

Quando sai do supermercado, escusado será dizer que se esqueceu das ervilhas, do Swiffer e de tudo o resto que estava na lista.

E não admira que cada vez que lhe pedimos para tirar qualquer coisa da nossa mala não queira meter lá a mão, com medo que de lá salte um tampão com pernas e comece a subir pelo braço acima, com olhar assassino.

Anúncios

3 Comments Add yours

  1. Ines diz:

    Mariana, que artigo genial!! Como sempre, parabéns! 🙂

  2. sara seruya diz:

    escrever tão “à la légère” (franciu´do melhor) sobre tamanho tabu é obra!!!! DE MORRER A RIR!! Did I mention sentido de humor nas tuas características/qualidades, no perfil pedido???

  3. Josélito diz:

    now that you mention it, can’t recall one single occasion in my married life of 29 years in which I was in the mere vicinity of such an awkward situation… thank God my lovely wife never had that crazy idea!!! in fact she introduced me to some other crazy ideas…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s