Para quê montanhas-russas se temos aeroportos?

Os aeroportos são autênticas montanhas-russas de emoção. Hoje testemunhei este argumento, e é de um avião em plena turbulência que vos escrevo. Vamos por partes:

Primeiro, o taxista que me vai levar ao aeroporto da Portela jurou-me a pés juntos que a Segunda Circular estava a “andar bem” mas por coincidência 3 veículos decidiram colidir no rabinho uns dos outros LOGO nos 15 minutos em que eu queria ter a faixa de rodagem só para mim. No pára-arranca dou por mim a suar do bigode, a emoção dominante é a angústia de não chegar a tempo.

Segundo, a azáfama do check-in, o striptease seguido de apalpões na alfândega: ombros, axilas, coxas e por aí fora, sem descurar traseiro, não vá ser portadora de objectos cortantes e/ou saquitos de cocaína entre as nalgas contraídas. A Sra.Guarda que executa este amasso é, regra geral, mais masculina que muitos homens que conheço. A emoção varia, ora desconforto ora nojo.

Terceiro, a minha necessidade obsessivo-compulsiva de estabelecer contacto visual com a porta de embarque; enquanto não a vejo estou desconfortável, é uma doença de que padeço.  De caminho, vou fazendo o exercício que já todos fizemos: “então e se entrasse nesta porta em vez da minha? Deve estar quentinho na Costa Rica! Ou vou antes para Alberta? O que haverá lá?” Fico curiosa.

Quando já estou cara-a-cara com o ecrã que me mostra o destino, relaxo. Mas, curiosamente, é quando eu relaxo que todos os outros passageiros entram em stress. Nunca percebi este fenómeno: estamos a 20 minutos da chamada para embarque e já estão dezenas de indivíduos amontoados em fila, que nem bicharada de aviário, no desassossego de chegar primeiro. A hospedeira nem está lá ainda! E eu pergunto-me: saberão eles algo que eu não saiba? Uma vez que há lugares marcados e espaço para tudo, qual é a pressa? A pressa de ficarem em pé na fila, com pernas a gangrenar durante 20 minutos, só para se sentarem mais depressa no avião? Não entendo, pelo que só sinto descrença na inteligência da raça humana, se é na minha ou na dos fazedores de filas não sei.

Já dentro do avião, aí é que são elas. Enquanto ouvimos o inglês de babuíno do comandante – “Ladies and gentleman, fafafafafafafafafa fafafafa fafafafafafa fafafa and welcome aboard” – vamos espreitando ao longe para nosso lugar, com pavor de descobrir os cheiros e texturas do nosso companheiro de fila… O receio que é calhar ao lado de um obeso mórbido que não nos deixa pousar o cotovelo…O verdadeiro drama que é ficar nos lugares do meio, cercado de assentos ocupados, com o efeito placebo a dar-nos uma vontade incontrolável de fazer o número 1 e o número 2… e nós temos de decidir qual colega do lado é que nos vai odiar menos por ser acordado. Experimentamos o pânico claustrofóbico, ao som do “um dó li tá”.

E o pior, senhores, é quando a cabeça adormecida desse colega do lado começa a pender, muito lentamente (às vezes em velocidade imperceptível a olho nu) para o nosso espaço vital. O cabeça inerte do invidíduo anónimo parece puxada por um fio invisível para cima de nós, às vezes aterra no colo, outras vezes no ombro, e ele não acorda. Não é invulgar seguir-se-lhe um ronco bem gutural, a escassos centímetros do nosso tímpano. Aí já aborrece, e a emoção que predomina é um “hospedeira-tire-me-este-gajo-daqui-ou-vou-ter-de-lhe-espetar-um-uppercut-nas-ventas”.

Por fim, acabamos a montanha russa já na sala de chegadas, com o movimento giratório da nossa cabeça a seguir o tapete rolante das malas sobreviventes, com sensação pessimista de que a nossa mala ficou, com certeza, no cemitério dos perdidos e achados. Até avistarmos e apalparmos a nossa, vivemos no medo – cagaço, miaúfa na gíria.

Chegamos cá fora e, como no meu caso hoje, podemos não ter ninguém para nos receber, mas é sempre acolhedor dizermos um adeus geral para a atmosfera, não vá alguém estar à espera de ninguém e querer devolver a cortesia.

Ufa, tranquilidade, no taxi a caminho do destino.

5 Comments Add yours

  1. Margarida diz:

    E chegar ao check-in e realizar que afinal não temos bilhete marcado? Ou quase a entrar no avião vir uma hospedeira dizer que já não há mais espaço para bagagens de mão, que vai ter que ir tudo no porão? Cereja no topo do bolo é mesmo um atraso à maneira, para cima de 2 horas, sem justificação ou pedido de desculpas! Também nutro uma grande paixão por aeroportos e seus derivados……………

  2. Charlie Brown diz:

    A Bumba na Fofinha estava no aeroporto!!!!!

    OMG!!!

    Se soubesse tinha lá estado cheio de flores…sim ainda sou um romantic full 🙂

  3. Sara Seruya diz:

    hilarious, for a change, Mananulas… still your biggest fan, I “fear”… Velha

  4. Josélito-já-te-tenho-dito diz:

    De repente tomei consciência, não sem uma certa perplexidade, de que gosto menos ainda de aeroportos e de viajar de avião do que do futebol(?) do Sporting ou do autismo-tipo-man-on-a-mission do Passos Coelho. Não foi um insight feliz, de facto…

Deixe uma Resposta para Sara Seruya Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s