Ena, que coincidência!

O português em Portugal é apenas mais um diluído na dezena de milhão. Ele é devoto lampião, buço à Zé Povinho (até os homens), mão esquerda Sagres, mão direita casca de tremoço, dentes da frente tremoço em si.

É engraçado como nos boicotamos cá dentro mas adoramos lá fora. Botamos um mindinho fora do país, e pode ser em Badajoz, a 1,5km da fronteira, e já somos uma raridade, um gambuzino, uma improbabilidade estatística.  O português que encontra outro português a uma distância superior a 1,5km da fronteira, acotovela o português com quem está e sussura “olha ali um português”. Como se de um pelicano raro se tratasse. E o português visado, discretamente (ou não) faz o mesmo, tipo coreografia em espelho. E aí, já não há forma de evitar a famosa exclamação – e esta deixa eu adoro, quanto mais perto da fronteira melhor – “Ena, que coincidência!”.

Mesmo quando partimos do aeroporto da Portela, com o avião carregadinho de Joaquins e Manelas, basta passar a fronteira, aterrar em Madrid, andar 9 passos do avião para o transfer e de repente, qual ilusionismo de Luís de Matos, já começamos a achar extraordinário ouvir falar português e o fenómeno acontece, normalmente na seguinte sequência:

– ouvimos com atenção para ter a certeza de que é português de Portugal

– não falamos nem fazemos contacto visual, porque não queremos revelar a nossa nacionalidade de forma irreflectida; antes disso, há que analisar o indivíduo com minúcia, estar atento aos indicadores – as maneiras, a chanata, o bigode, verbalizações como “fosga-se” ou “amandastes-me um SMS”. No fundo, entender se aquela amostra que ali está é alguém que nos vai fazer sentir orgulho ou vexame, no que à partilha de nacionalidade diz respeito.

– findo o diagnóstico, das duas uma: 1. se o indivíduo é labrego, fingimos demência 2. se o indivíduo é aceitável, rejubilamos cá dentro, explodimos de alegria cúmplice. É aquele quentinho patriótico.

– no fim, não nos dirigimos ao pelicano raro. Sussurramos, isso sim, ao português que nos acompanha: “Portugueses aqui, que coincidência!”. E seguimos com a nossa vida, radiantes, a cabeça a rebentar com clichés – “O mundo é pequeno!”, “O português está em todo o lado!”,” É uma praga!”, “Isto é mesmo um T0!” – um queixume ternurento, porque no fundo é realmente uma grande, grande coincidência.

Isto não acontece com mais nacionalidade nenhuma, garanto-vos. Tudo bem, nós temos o estigma dos 11 milhões, mas os liechtensteinianos são 30 000 e eu tenho a certeza de que não fazem esta cobóiada quando se encontram.

Tudo isto surge porque estou recém-chegada de “Marraqueixo-me” (fica para uma próxima dissertação) e o nosso guia levou-nos ao deserto, chamava-se Hassan, Mohammed ou Rahim, com 33,333% de certeza cada um. E de caminho passámos por um grupo de jovens, e eu jurei ouvir um “Puto, bora lá b*ralho!”

E das minhas entranhas saiu um gutural “Ena, que coincidência!”.

Anúncios

9 Comments Add yours

  1. José M Seruya diz:

    Fosga-se, é mesmo assim!!!

  2. david diz:

    lembro-te só o episódio da gelataria dos gelados maravilhosos em barcelona. esse não contas tu.

  3. João M. de Barros diz:

    vivi 8 meses em França, a nostalgia da patria assombrou me algumas vezes, sentia falta de tudo: o clima, o ambiente, as praias, o bairro alto… até que um dia precisei de ir à embaixada de Portugal, uma fila enorme, fui ultrapassado, gritaria, palavrões, gel de cabelo e muitos bébés… e com isso tudo concluo que devo mesmo amar o meu País, a saudade vingou.

    1. É verdade. É a eterna história de se valorizar quando não se tem. Devíamos era gostar mais do nosso país cá dentro, mesmo com os palavrões e o gel. (tu usas gel, que eu sei.)

      1. João M. de Barros diz:

        =) só quando vou ao lux, com a minha manga cava amarela e calças rotas… já agora acrescento outra: uma vez em londres estava a ouvir uma melodia de duas senhoras da limpeza a insultarem violentamente clientes que nao cumprimentavam e a patroa enquanto esperava elevador. Fiz um sorriso longo e disse-lhes boa noite minhas senhoras!

  4. Margarida diz:

    Eu gosto muito de cuscar as conversas dos falantes de língua portuguesa nos autocarros em Inglaterra! Ao fim do dia de trabalho, é quase como uma canção de embalar.

    1. Eu também era pro nisso em Barcelona! eheh

      1. João M. de Barros diz:

        se vivesse em Barcelona… era preciso muito para voltar!

      2. João M. de Barros diz:

        já foste a Andorra? é uma colónia tuga…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s